Jogos Mundiais Wroclaw 2017
31/07/2017
Por PAULO PINTO | Fotos INTERNATIONAL WORLD GAMES ASSOCIATION
Wroclaw – Polônia

Exibindo técnica apurada, Hernani Veríssimo venceu grandes nomes da atualidade

Os protagonistas brasileiros no segundo e último dia de disputa do karatê nos Jogos Mundiais Wroclaw foram Hernâni Veríssimo (75kg) e Isabela dos Santos Rodrigues (68kg).

O primeiro a pisar os tatamis foi o karateca paulista, que na fase de grupos estreou derrotando Omar Abdel Rahman, do Egito, atual vice-campeão mundial, por 2 a 0. Na segunda luta o karateca de Piracicaba encarou Aliasghar Asiabari, da República Islâmica do Irã, que superou Veríssimo por 2 a 0. Em seu terceiro confronto o brasileiro passou fácil por Joji Veremalua, de Fiji, vencendo por 4 a 0.

Na semifinal o bicampeão pan-americano enfrentou Stanislav Horuna, da Ucrânia, quinto colocado no ranking da WKF, que sofreu o primeiro ponto, mas virou sobre Veríssimo e venceu por 4 a 1. Com a derrota Veríssimo foi disputar o bronze com o Thomas Scott, o número 1 do mundo, e o derrotou por 2 a 0.

O pódio final do 75kg foi formado por Stanislav Horuna (Ucrânia), campeão, Aliasghar Asiabari (Irã), vice-campeão, e Hernâni Veríssimo em terceiro.

Na semifinal o bicampeão pan-americano caiu diante de Stanislav Horuna da Ucrânia

Após a conquista inédita Hernâni Veríssimo avaliou seu desempenho numa competição que reuniu os melhores atletas de sua categoria de peso.

“Foi uma experiência muito boa porque pude confrontar meu karatê com os melhores atletas do meu peso no mundo. Mais uma meta foi cumprida, pois conquistei a segunda vaga para o Brasil no pódio em uma competição na qual o Brasil só havia conquistado uma medalha por edição”, comemorou Veríssimo.

Após superar o número 1 do mundo na disputa do bronze, o karateca destacou a importância de competir de igual para igual com os melhores do mundo.

“Fiz lutas muito boas e aos poucos estou conhecendo o jogo dos meus adversários, aprendendo como enfrentar cada um deles e neutralizar o potencial de cada um”, explicou.

Ao lado do técnico Diego Spigolon, Hernani Veríssimo exibe o bronze conquistado na Polônia

Isabela Rodrigues, a outra representante do Brasil, fez uma excelente estreia contra Dominika Tatarova, da Eslováquia, vencendo a segunda colocada do ranking mundial por 4 a 0. No segundo confronto Isabel foi superada pela iraniana Hamideh Abbasli. A terceira luta da atleta carioca foi decidida por WO, e na semifinal Isabela encarou a campeã mundial Ayumi Uekusa. Isabela fez uma luta muito eficiente contra a japonesa, e o combate acabou empatado. No hantei a arbitragem deu a vitória para a Ayumi.

Na disputa do bronze contra Anne Laure Florentin, a francesa bicampeã europeia e terceira colocada no ranking mundial fez valer toda a experiência que possui, e venceu a brasileira por 2 a 0.

Na quarta-feira (26 de julho) Valéria Kumizaki, atual número 1 do mundo no ranking da World Karate Federation (WKF), já havia ratificado o excelente momento nos tatamis ao vencer suas principais adversárias e conquistar o ouro no World Games 2017.

Em seu primeiro combate Isabela Rodrigues venceu Dominika Tatarova da Eslováquia, a atual segunda colocada do ranking mundial, por 4 a 0

Douglas Brose, o bicampeão mundial, não teve a mesma sorte e após vencer muito bem os três confrontos iniciais da fase classificatória, caiu na semifinal diante de Firdosi Farzaliyev, do Azerbaijão, que foi o campeão do -60kg, por 5 a 0. Na disputa do bronze contra a o espanhol Matias Gomez Garcia, Brose não conseguiu impor seu jogo, a luta terminou empatada e no hantei três árbitros deram a vitória para o karateca europeu.

Para Diego Spigolon, técnico brasileiro em Wroclaw, a cada ano o karatê verde e amarelo conquista maior espaço no cenário mundial.

“Este evento é muito forte e a nata do karatê mundial estava aqui, o que torna meu balaço extremamente positivo. Viemos aos Jogos Mundiais com quatro atletas apenas, e conquistamos duas vagas no pódio. Os quatro atletas do Brasil passaram da fase de grupos, disputaram semifinais e brigaram por medalhas, ou seja, obtivemos um primeiro lugar, um terceiro lugar e dois quartos lugares. Nosso retrospecto é excelente, e comprova que o Brasil está cada vez mais inserido no grupo das potências da modalidade”, disse Spigolon.

Isabela Rodrigues, Valéria Kumizaki, Diego Spigolon, Douglas Brose e Hernani Veríssimo

William Cardoso, diretor técnico da Confederação Brasileira de Karatê (CBK), destacou que esta foi a melhor campanha do karatê brasileiro nos Jogos Mundiais.

“Depois dos Jogos Olímpicos de verão e de inverno, os Jogos Mundiais são a principal competição do desporto mundial. A disputa do karatê contou com a participação dos primeiros colocados do ranking internacional e mesmo assim obtivemos um ouro, um bronze e dois quartos lugares. Foi a primeira vez que o karatê do Brasil conquistou duas medalhas neste certame, o que torna histórica esta campanha do Brasil”, comemorou o dirigente.

Douglas Brose ficou com a quarta colocação

Desde que o karatê passou a integrar o Programa Olímpico, esta foi a segunda competição em que o Comitê Olímpico do Brasil apoiou integralmente a equipe brasileira, e o diretor técnico da CBK destacou que a modalidade responde ao investimento feito pelo COB.

“Fomos à Polônia com o apoio integral do Comitê Olímpico do Brasil, e tenho certeza de que aos poucos vamos estabelecendo uma excelente relação com o órgão. Estamos respondendo ao investimento que passou a ser feito, entregamos aquilo que nos propusemos e comprovamos que o karatê do Brasil é altamente competitivo e vitorioso”, concluiu Cardoso.

Valéria Kumizaki e Diego Spigolon, após a cerimônia de premiação