Gashuku Karatê-dô Tradicional 2017
31/10/2017
Por PAULO PINTO | Fotos BUDOPRESS e ARQUIIVO/CBKT
Curitiba – PR

Sensei Giordana de Souza

Com o apoio da Federação de Karatê-Dô Tradicional do Paraná e a chancela da Confederação Brasileira de Karatê-Dô Tradicional, a Academia Bodhidharma de Curitiba (PR) realizou o gashuku 2017 nos dias 27 e 28 de outubro na praia de Guaratuba (PR).

O tradicional encontro técnico, filosófico e científico reuniu 120 participantes provenientes de cinco Estados: Santa Catarina, São Paulo, Mato Grosso, Bahia e Paraná.

As palestras foram ministradas pelos mestres Takuo Arai, Gilberto Gaertner, Sérgio Bastos, Kazuo Nagamine, Antônio Walger, Giordana de Souza e Nelson Santi. O evento foi voltado eminentemente para instrutores e teve excelente resultado tanto técnico quanto na integração e intercâmbio entre os participantes.

Shihans Sérgio Bastos, Gilberto Gaertner, Takuo Arai e Kazuo Nagamine os mestres mais representativos do Karatê tradicional hoje

O professor Kazuo Nagamine mostrou a base biomecânica das defesas; Sérgio Bastos enumerou as formas de luta em curta distância; Gilberto Gaertner trabalhou a essência dos 15 katas fundamentais do estilo Shotokan; o shihan Takuo Arai abordou o detalhamento e a correção dos katas avançados; Antônio Walger falou sobre os princípios de avaliação e arbitragem; a professora Giordana de Souza ministrou treinamento com tonfa; e Nelson Santi fez um treinamento de distância e tempo aplicados à luta.

Na área científica foram discutidos os efeitos psicofisiológicos da prática do karatê nas várias faixas etárias. No campo filosófico foram abordados a história e os princípios ético-filosóficos do karatê tradicional.

Treinamento na praia de Guaratuba

O convívio por meio do treinamento

Na visão do professor Kazuo Nagamine, o encontro foi uma submersão em profundidade, no qual todos compartilham igualmente essa busca.

“Talvez seja a significação mais adequada que encontramos para encontros como o que houve em Guaratuba. O ambiente e as atividades desenvolvidas focaram apenas um só objetivo: o karatê-dô tradicional, num ambiente que contribui totalmente de forma positiva ao aprendizado. A distribuição dos treinos e o aprendizado totalmente voltado à prática faz com que os participantes não percebam a sensação de cansaço físico, a não ser quando retornam aos seus lugares de origem. Certamente todos saem com ânimo e energias renovados, aguardando o próximo gashuku”, avaliou Nagamine.

Sobre o conteúdo programático, ele sintetizou que foram trabalhados os aspectos técnicos básicos que devem ser percebidos na prática do kihon (fundamento), seu link com o kata e como aplicá-lo no kumitê (luta). A importância do movimento de ação e reação, utilizado ao mesmo tempo como defesa e ataque, hikikomi (puxar e avançar a perna) e a troca de passos como fundamento ao treino do de-ai (antecipação ao ataque) foram outros aspectos abordados.

Meditação

“Num evento como este e com estas características, procuramos a síntese para permitir que, por meio da informação, os participantes obtenham subsídios e possam assimilar o que lhes é transmitido. Creio que o clima criado nestes eventos mantém acesa a chama do entusiasmo tão necessário à nossa prática no dô (caminho)”, concluiu Nagamine.

Técnicas de defesa pessoal com uso da tonfa

No gashuku 2017, a sensei Giordana de Souza apresentou um módulo especial de defesa pessoal com o uso da tonfa, demonstrando e repassando técnicas de defesa e ataque, com exemplos de imobilizações e de uso em diversas situações próximas da realidade cotidiana. Com foco prático, todos os participantes do curso puderam experimentar as várias técnicas e habilidades necessárias para o manuseio da tonfa.

“A utilização da tonfa, aliada às técnicas do karatê, potencializam a eficiência deste equipamento na aplicação de golpes complementares, como o oi-tsuki e mae-geri, por exemplo, após a defesa com a tonfa”, explicou Giordana.

Os professores Expedito Borges, Sérgio Bastos, Gilberto Gaertner, Takuo Arai, Kazuo Nagamine, Antônio Walger e Clóvis Artrissi

Para muitos participantes esta foi a primeira oportunidade de conhecer e manusear a tonfa como instrumento complementar na defesa pessoal, sendo este um dos objetivos do gashuku, que são permitir o acesso a novos conhecimentos que complementem a formação dos atletas.

O surgimento da tonfa, como tem sido relatado, ocorreu como instrumento de defesa na China e Sudeste Asiático, onde provavelmente evoluiu a partir de ferramentas agrícolas utilizadas no plantio de arroz, explicou Giordana.

Treinamento na praia de Guaratuba

Este tipo de cassetete possui um apêndice perpendicular ao cabo que pode ser usado de formas variadas, desde defesa e ataque até desequilíbrio, tração e imobilização. Com o aprimoramento e a difusão dessas técnicas, inúmeros agentes de segurança, militares e civis em todo o mundo usam a tonfa como equipamento básico.

A sensei Giordana de Souza (6º dan), campeã mundial individual de karatê em Treviso, na Itália, em 1994, é especialista em técnicas de defesa pessoal. Há mais de 20 anos ensina e aprimora o uso da tonfa para agentes de segurança pública e privada no Estado do Paraná.

Giordana de Souza mostrando a aplicabilidade da tonfa na defesa pessoal