Campeonato Mundial Sênior De Judô
01/09/2017
Por GABRIEL FRICKE/GLOBO ESPORTE | Fotos PAULO PINTO/CBJ
Budapeste - Hungria

Mayra Aguiar na luta contra a francesa Audrey Tcheumeo

Desde o aquecimento, era possível perceber que a judoca Mayra Aguiar entraria no tatame com sangue nos olhos nesta sexta-feira no Mundial de Judô de Budapeste. Totalmente focada desde o início, ela lutou demais e venceu três confrontos por ippon na primeira sessão do dia para chegar às semifinais da categoria 78kg, que serão disputadas a partir das 11h (de Brasília). Mas um deles teve um componente especial. O embate das quartas foi contra a francesa Audrey Tcheuméo, que venceu a gaúcha na semifinal nos Jogos Olímpicos e acabou ficando com a medalha de prata. Na ocasião, a brasileira levou o bronze. Agora, contudo, a história foi diferente. Mayra atropelou Tcheuméo e vai brigar por medalha na Hungria.

Mayra Aguiar na estreia do Mundial de Judô pelo Brasil

Enquanto Mayra Aguiar chegou à semifinal, Maria Portela vai disputar a repescagem na segunda sessão. Ela venceu duas lutas no Golden Score, mas caiu na terceira também no tempo extra e, dessa forma, brigará com a espanhola Maria Bernabeu pela chance de lutar pelo bronze. No retrospecto, a europeia tem seis vitórias contra uma da brasileira. A jovem Samanta Soares, por sua vez, levou uma dedada no olho da japonesa campeã mundial de 2015, Mami Umaki, e acabou sendo derrotada na estreia.

Mayra Aguiar bate Graff por ippon no Mundial de Judô

O caminho de Mayra Aguiar

Mayra Aguiar estreou no tatame 2 do Mundial de Budapeste, na Hungria, contra a gigante eslovena Klara Apotekar, vice-campeã mundial júnior em 2015. No início, teve um pouco de dificuldade para encaixar contra a rival de 1,87, que se esquivava e acabou levando um shido (infração). A brasileira então pegou a europeia num golpe bonito e venceu por ippon. Em seguida, foi a vez da austríaca Bernadete Graff, que era da categoria 70kg e migrou para o 78kg esse ano. A brasileira, novamente, saiu vitoriosa por ippon.

Mayra venceu os três combates da manhã por ippon

Na sequência, nas quartas de final, uma pedreira: a francesa Audrey Tcheuméo, campeã mundial em Paris 2011, prata nos Jogos Olímpicos do Rio 2016 e bronze em Londres 2012. É uma velha conhecida de Mayra. Afinal, a judoca europeia foi derrotada por ela por um waza-ari na final do Mundial de 2014 em Cheliabynsk, na Rússia, mas venceu na Rio 2016. Desde o início, a brasileira tentou vários golpes. Após dois waza-aris, ela derrubou a adversária, que parece ter sentido o joelho, e saiu com o triunfo por ippon, garantindo a classificação para as semifinais na segunda sessão do dia em Budapeste.

Maria Portela cai para japonesa e vai à repescagem

Maria Portela acabou derrotada no Golden Score para a japonesa Chizuru Arai

Representante do Brasil no 70kg, Maria Portela estreou contra a sul-coreana Jeong. Ela conseguiu um waza-ari, mas, faltando segundos para o fim da luta, a rival fez o mesmo. No Golden Score, com mais um waza-ari, saiu vitoriosa. Em seguida, a rival foi a britânica Gemma Howell. Foi um embate duríssimo. As duas levaram dois shidos (infrações) e foram para o Golden Score (prorrogação). A atleta do Reino Unido foi vencida pelo cansaço. Na raça, a brasileira aplicou um golpe e ganhou por waza-ari. Nas quartas, encarou a japonesa Chizuru Arai.

O confronto foi truncado. Maria tinha um shido quando a luta foi para o Golden Score. A asiática então tomou sua primeira punição. Mas, após uma catada de perna, Portela levou o segundo shido e, como a nipônica tinha uma vantagem sobre ela, valeu para a vitória. Portanto, a brasileira vai disputar a repescagem na 2ª sessão contra a espanhola Maria Bernabeu.

Maria Portela disputará a repescagem na segunda sessão do dia